Skip to content

Espaço de reflexão

Testemunhos

Arnaldo Lopes

Normalmente, não é meu hábito andar tão distraído, a ponto de deixar de me aperceber do que se vai desenrolando em meu redor. Assim, REJUBILO, ALEGRO-ME, SINTO TRISTEZA, AMARGURA, COMPAIXÃO, conforme me é dado ver, sentir, viver, o desenrolar da vida, das vidas dos meus semelhantes. Aí sinto que, naturalmente, não posso continuar instalado, tenho que ir à luta e deixar crescer em mim a vontade de ANALISAR e COMPREENDER o PROBLEMA.

Maria Clara Morgado Carapeto

No início de 2019, a doença entrou na nossa casa de uma forma avassaladora, ao meu irmão Carlos foi-lhe diagnosticado um câncer nas vias biliares, aí iniciou-se, todo um processo de consultas, análises, exames específicos, cirurgias, quimioterapia, etc. Eu, sua única irmã, com a qual ele, sempre viveu assumi em pleno a função de sua cuidadora, nos 21 meses que o acompanhei e tratei, também contei com a ajuda do meu Tiago, que era seu afilhado e que nas fases críticas esteve sempre ao seu lado.

Raquel Gonçalves

A Morte e o inevitável.
E inevitável é falar acerca da morte. Cada individuo quando ouve a palavra cancro, a morte surge como uma das respostas associadas... Assim como tristeza, cura, dor, medo, tratamento, mau estar, perda de cabelo. Pergunto-me , mas porque razão não somos educados e preparados a lidar com a morte como o somos acerca de historia, geografia, os Maias, corpo humano? Todos nós conhecemos alguém que teve um cancro, seja um amigo, ou um familiar, um conhecido, um colega ou até nós mesmos.