Skip to content

Miriam Araujo

 

Enfermeira | Mestre Oficial em Estudos e Intervenção Social em Imigração, Desenvolvimento e Grupos Vulneráveis ​​| Especialista em Oncologia e Cuidados Paliativos | Mestre em Investigação em Ciências da Saúde

 

Trabalha como Professora e Investigadora na Faculdade de Enfermagem da Universidade de Huelva.

 

A minha etapa de formação na Universidade marcou a minha trajetória nos processos de final de vida e cuidados paliativos. Como é verdade que as pessoas ao nosso redor marcam as nossas vidas de uma maneira muito especial. Comecei a colaborar com a minha ex-professora e agora sócia Begoña García num projeto de investigação que me enchia de entusiasmo, desejo e expectativa relativamente ao meu futuro desenvolvimento profissional. A doença da minha mãe, o medo de perdê-la, o futuro da doença e todos os processos familiares, sociais e de trabalho que dizem respeito ao cancro marcaram o meu trabalho e a projeção educacional de uma forma muito especial, precisava de poder ajudar outras pessoas que vivenciaram o que minha família e eu vivemos!

Do ensino e da investigação continuo a trabalhar na criação de um conhecimento científico que aproxime o abstrato do simples, útil e humano, continuamos a formar e a criar plataformas que enriquecem a sociedade e oferecem recursos úteis para quem vive os últimos dias da sua existência.

A minha ligação com este grupo nasce de um desejo crescente de continuar a aproximar esta realidade ainda cega da sociedade e de criar pontes entre diferentes culturas que enriquecem a forma de abordar este processo. Em 2018 tivemos a oportunidade, através da I Conferência Internacional de Competência Cultural no Fim da Vida, de nos conhecermos, interagirmos e decidirmos que nunca mais queremos romper esse vínculo especial. Hoje 2020 continuamos a criar, trabalhar e investir na formação de Comunidades Transfronteiriças Compassivas.

Como disse Maria Teresa de Calcutá: “Às vezes sentimos que o que fazemos é apenas uma gota no mar, mas o mar seria menos se faltasse uma gota”. Eu sou Miriam, sou humana, sou enfermeira e vou contribuir com minha gotinha neste mar imenso que é a Compaixão.